Uma Nova Alternativa
 
 
 
*
bem vindo

 

Tipos de energia:

 


 

 
 
 

 



 

 

 

 

 

Energia Eólica

 

Energia renovável, a partir da qual se pode gerar electricidade através da utilização da energia contida no movimento de massas de água causado pelas marés. A energia maremotriz pode ser obtida através da energia potencial pela diferença de altura entre as marés alta e baixa e da energia cinética das correntes devido às marés.

Numa central de aproveitamento da energia das ondas, tira-se partido do movimento oscilatório das mesmas. Tal é conseguido criando câmaras ou colunas em zonas costeiras. Essas câmaras estão, parcialmente, cheias de água, e têm um canal aberto para o exterior por onde entra e sai ar. Quando a onda se aproxima, a água que está dentro da câmara sobe, empurrando o ar para fora, através do canal. Quando a onda desce, dá-se o movimento contrário. No canal de comunicação de entrada e saída do ar existe uma turbina que se move, consoante o movimento do ar na câmara. Tal como nos outros casos, a turbina está ligada ao gerador eléctrico, produzindo electricidade.

Outra forma de aproveitar a energia dos oceanos é tirando partido do movimento constante das marés. As centrais de aproveitamento da energia das marés funcionam de forma semelhante às barragens hidroeléctricas. De tal forma, que implicam a construção de grandes barragens, atravessando um rio ou um estuário. Quando a maré entra ou sai da foz do rio, a água passa através de túneis abertos na barragem. As turbinas, colocadas nesses túneis, movimentam-se consoante as idas e vindas das marés.

No entanto, saliente-se que a implementação de ambos os tipos de centrais é bastante complicada. É necessário, por isso, um conjunto de características muito especiais, como a forma da costa e o leito marinho, bem como a existência de baías e estuários, para que determinado local seja apropriado para a instalação de uma central para o aproveitamento da energia maremotriz.

No caso do aproveitamento da energia das ondas, é necessário escolher locais onde estas sejam continuamente altas, o que significa que a central tem de suportar condições adversas e muito rigorosas, enquanto que na energia das marés, as barragens também têm de ser bastante resistentes.

Estes equipamentos podem exercer grande influência sobre a qualidade da água e a cadeia alimentar de aves, peixes e invertebrados. A interferência na vida dos peixes pode ainda causar impactos em muitas regiões, onde certas espécies representam grande importância para a pesca comercial.

Além das necessidades físicas, é preciso analisar a viabilidade económica, para a construção de uma central, é necessário um grande investimento em barragens, comportas e turbinas hidráulica. Além disso, a água salgada, devido a seu elevado poder de corrosão, exige a utilização de materiais especiais na construção dos equipamentos, o que aumenta os custos.

 Em Portugal nomeadamente as suas zonas costeiras (em especial a costa ocidental do continente e as ilhas dos Açores) têm condições naturais muito favoráveis para o aproveitamento da energia das ondas. Infelizmente, as tecnologias de conversão desta energia estão ainda em fase de desenvolvimento. Apesar deste facto, Portugal é um dos países pioneiros, com duas centrais de aproveitamento da energia das ondas, uma delas na ilha do Pico e a outra em Castelo de Neiva. Tendo ainda uma outra em fase de construção na Póvoa de Varzim, sendo essa tema principal do nosso trabalho.

 
Uma Nova Alternativa - Pelamis Aguçadoura